Tenho 3 filhas. Todas bem diferentes uma da outra. E já me perguntaram sim se eu amo mais a Stella porque ela tem autismo e teria a maior parte da minha atenção.

E amor se mede em quantidade? Existe “amormômetro”? 

Bem, o amor se mostra em atitudes, gestos, dedicação. E talvez seja a tal da dedicação que nos condena! As pessoas confundem a dedicação que o filho autista nos exige com quantidade de amor.

E quando as pessoas “de fora” assim pensam, tudo bem! Mas…e quando a família e até mesmo os irmãos insistem que você ama mais o Gabriel ou a Emília “só porque” ele ou ela é especial? É…aí o bicho pega!

Enfim, eu poderia passar o dia inteiro discorrendo sobre esse assunto, mas achei um texto tão perfeito e gostaria de compartilhar porque ele diz tudo. Aí vai:

FILHO PREDILETO

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido,
aquele que ela mais amava.
E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu: 
“Nada é mais volúvel que um coração de mãe. 
E, como mãe, lhe respondo: o filho predileto, 
aquele a quem me dedico de corpo e alma…
É o meu filho doente, até que sare. 
O que partiu, até que volte.
O que está cansado, até que descanse.
O que está com fome, até que se alimente.
O que está com sede, até que beba.
O que estuda, até que aprenda.
O que está com frio, até que se agasalhe.
O que não trabalha, até que se empregue.
O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.
O que é pai, até que os crie.
O que prometeu, até que se cumpra.
O que deve, até que pague.
O que chora, até que cale.

E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou: 
O que já me deixou… 
…até que o reencontre… 
(Erma Bombeck)

Não é lindo? Pois bem, eu sei de uma coisa… eu amo as minhas 3 filhas de uma forma diferente. Não posso amar igual porque elas não são iguais e pronto! Contudo, meu “amormômetro” marca empatado para as 3!

É natural que aquele filho que tem a maior demanda leve sempre uma grande fatia do nosso dia e muitas vezes lidere o ranking de tarefas e obrigações. 

Eu acho que estar ciente das necessidades de cada um e atendê-las com justiça e não apenas com igualdade é a chave da questão.

Mais ou menos assim:

Imagem

O grande barato pra mim é saber que cada filha minha tem seu significado precioso e individual. Eu me divirto com a de 15 anos, volto à adolescência, vejo séries, escuto música, conto piadas e dou palpites sobre os garotos. Com a de 8 eu morro de rir porque ela é palhacinha, carinhosa, divertida e me enche de orgulho dos seus desenhos. E a menina de 6 aninhos, a minha caçula? Ah, essa só me encanta… quando fala, quando escreve, quando dança. Tudo que ela fizer é um milagre!

Por que?

Porque ela partiu com 2 anos (sua fala, seu sorriso, sua alegria)…

O autismo a levou de mim.

Porém, ainda autista, ela retornou para nós. \o/

Só que para isso acontecer eu precisei “dar a preferência”, leia-se…maior dedicação! 

Imagem

(foto de 2008 quando eu ainda não sabia que tinha uma criança especial no colo)

———————————————————————————————————————————————–

E você? O que faz para “distribuir” com justiça sua dedicação aos filhos? E quando mais de um filho é especial? Haja amor, pais poderosos, haja amor!!!

Anúncios

About Evellyn Diniz

Hoje eu sou super mãe! Me formando todos os dias nas áreas de saúde e educação. Mas antes de adquirir super poderes fui muitas coisas e ainda sou! Vendedora, professora de inglês, apresentadora de TV, editora de imagens, cantora de banda de rock e fiz faculdade de jornalismo... Atualmente sou mãe e esposa em tempo integral e cuido da casa nas horas vagas! Minhas 3 filhas são minha continuação e minha continuidade. A caçula chama-se Stella Bertille que significa estrela brilhante. Ela veio ao mundo para mudar o mundo para mim, ela veio ao mundo para brilhar! Stella está vencendo o AUTISMO. Este blog é por ela. Destina-se a ajudar pais e mães a entenderem que o PODER de fazer nossos filhos atingirem a plenitude pertence aos pais. Aqui compartilho videos, fotos, matérias, experiências e pensamentos sobre o Transtorno do Espectro do Autismo. Coloque a sua capa e sua roupa de herói que os desafios aqui não são de faz-de-conta!

14 responses »

  1. Marlice diz:

    Bom dia Evelyn! Lindo seu texto! Amor aos filhos, significa mesmo saber partilhar, doar, respeitar, entender cada um . Nosso amormômetro é a voz de nosso coração! Grande abraço

  2. Marilei Moreira diz:

    Adorei seu texto Evellyn!
    Serve pra muita gente no mínimo refletir, antes de sair julgando o amor de mãe por seus filhos.
    Bjs ❤

  3. wleny bittencourt diz:

    Nossa!!! Evellyn, vc me fez chorar, falou com o coração, tudo que sinto,
    Aqui em casa, todos os dias tenho esse dilema, tenho uma menina de 8 anos e um lindo garotinho autista de 6 anos, e ela vive me questionando, pq que comemoro, pulo, grito com cada coisinha que Pietro faz, pq passo o dia inteirinho com ele, é muito difícil, eu a amo demais, mais ele, tenho que ter um cuidado mais especial, está tendo avanços incríveis, mais às vezes tenho remorso de dedicar meu tempo quase 100% pra ele, e Belle quase nada, ela passa o dia na escola, e só nos vemos à noite…Beijo!

  4. Eliene diz:

    Evelyn li seu texto e parecia que vc estava contando minha historia.Tenho 3 filhas que são diferentes uma da outra.no meu caso a mais velha de 14 anos que é autista.A questão da cobrança é muito grande,sempre acham que tenho preferencia,não percebem que é um cuidado natural!.beijos adorei oque vc escreveu,gostaria de copiar e postar algumas coisas no meu face?!tudo d bom!

  5. Vitoria diz:

    Que lindo Evellyn, amei!!!E que bonita foto com sua tres joias .Como elas devem ter orgulho de vc., uma mae tao linda e dedicada.Um grande beijo

  6. Daniela diz:

    Seu texto caiu como um bálsamo para mim. Hoje uma colega fez uma colocação assim para mim: que eu dava mais atenção para as necessidades da Manu do que para minha outra filha Isabella. E eu tentei explicar para ela exatamente o que expressaste neste texto. E ainda brinquei dizendo que ainda bem que estou trabalhada na terapia e não tenho sentimento de culpa. As pessoas que não convivem com o autismo diariamente não sabem o que nossos pequenos exigem de nós. O amor é imenso pelas duas, mas a Manu precisa de mais cuidados e atenção.

  7. Bruna Sathler diz:

    Evellyn,perfeito seu texto,tenho 3 filhos e todos precisam de tratamentos diferenciados,também ouço muito isso,que eu falo mais da minha autista do que os outros filhos,como se eu amasse mais ela do que os outros.Minha filha autista é que mais nos desequilibra,seu comportamento,suas dificuldades e por isso o foco é maior nela,os outros apesar das suas dificuldades conseguem evoluir,conseguem interagir são mais aceito nos lugares,mas compreendidos,e Bia não.Mas meu amor é igual por todos,cada um com sua dificuldade,um menos e outro mais e é natural que o que tem maior dificuldade que nos ocupe mais.O amor é o mesmo e igual,amo muito meus filhos.Um abraço e Parabéns pelo texto.

  8. Emocionada, como sempre fico com seus textos. Que mãe linda você é e que sorte que essas três mocinhas têm!

  9. Lucélia Romeiro diz:

    Evellyn, fiquei emocionada com seu texto. Sinto tanta cobrança de minha filha mais velha (7 anos), que tenta tirar de mim até o ultimo segundo de atenção alegando sempre que amo mais meu filho autista do que ela. Já em relação a mim mesma sinto que deixo a desejar para ambos porque ainda estou presa ao trabalho durante várias horas por dia. É uma rotina difícil e as vezes exaustiva… mas nós mães sabemos de uma coisa; o amor pelos filhos, não importa quantos sejam e como sejam, é especial e adaptável às circunstâncias de cada um!

  10. Danyelle Maranhão de Almeida diz:

    Bom dia Evellyn, preciso de sua ajuda. Meu filho tem uma má formação cerebral, síndrome de Arnold Chiari, há 1 ano faz o tratamento biomédico. Hoje ele anda, frequenta a escola, fala (mantém diálogo), mas ainda preciso traduzi-lo muito para as pessoas. Hoje acho que falta uma linguagem mais compreensível, concentração, brincadeiras mais de acordo com sua idade. Gostaria de sua opinião se ele poderia se beneficiar com a methyl injetável? Ouvi a palestra mas vejo que Dr. Neubrander foca muito em autismo, ou será q o foco foi esse devido ao tema do congresso?

  11. Denize Dantas Cardoso diz:

    Oi evillyn bom dia!
    olha sou Denize Dantas Cardoso resido em Linhares Es.trabalho no CAEE desse municipio(centro de atendimento educacional especializado pestalozzi).
    eu trabalho com auxiliar em saude bucal(ASB)em outro turno como Técnica em Enfermagem..
    nosso atendimento é diferenciado hj temos 450 pessoas com necessidades especiais aqui no centro temos grupos de pessoas envolvidadas com Autismo depois que a Diretora foi aos Estados Unidos juntamente com uma pedagoga se especializar-se com um grupo que lá existe de nome(SON RAISE) crescemos muito com o aspector autista.
    fiquei feliz em ler seu relato…….bjus fica com Deus e estamos aqui…dia 02 de abril é o dia mundial desse vencimento não gosto da batalha,e dia 01 de abril vamos ter um forum junto a secretaria de educação estadual…onde nesse fórum vamos ter variaos pontos desse vencimento …..vamos ter danças e tudo mais.vc ja esta convidada o endereço é bairro araçà Linhares o forum vai ser dividido em turnos vespertinos e matutino.pois não é feriado para nós e sim letivo.o telefone para maiores informações é 027 3264-2343 ou 027 999019471…bjus

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s