Gente, eu precisava falar que concordo com muitas das observações que estão sendo feitas nas redes sociais sobre o segundo episódio da série Autismo Universo Particular do Fantástico. PORÉM, NÃO DÁ PRA FICAR TRANSFORMANDO O QUADRO EM UM JOGO DOS SETE ERROS!
O autismo é a coisa mais INEXATA E PLURAL que conhecemos! Aliás, corrijo, OS AUTISMOS!
Existem correntes diferentes, crenças antigas, mitos arraigados sobre o autismo que terão que ser derrubados CRIANÇA POR CRIANÇA.
Generalização sempre vai existir, mas o que importa nesse quadro é mesmo ACENDER A LUZ VERMELHA para pais que possam estar perdidos sem saber o que o filho tem e DAR UMA SACUDIDA na sociedade sobre o tema de um modo geral.
ISSO JÁ ESTÁ ACONTECENDO! O inbox do meu blog hoje amanheceu cheio de mensagens com tom de urgência de pessoas querendo orientações porque após o programa perceberam que podem estar diante de um filho autista!!
SACUDIR A COMUNIDADE MÉDICA para a capacitação dos profissionais em relação ao diagnóstico também é importante!

Agora vejam bem, o próximo programa será AINDA MAIS POLÊMICO porque vai falar de tratamentos, ou seja, APENAS DAQUELES NOS QUAIS O ORIENTADOR PRINCIPAL DO QUADRO ACREDITA.
Não vão falar de dietas e podem até falar mal … não vão falar de homeopatia, nem de quelação, nem de intestino (ISSO SIM SERIA UMA SURPRESA BOMBÁSTICA!), nem de abordagens terapêuticas consideradas “alternativas”. NÃO VÃO MESMO, TIREM SEUS CAVALINHOS DA CHUVA! Não vão descrever a individualidade biológica do seu filho, nem suas comorbidades específicas ao pé da letra, não tem como!!
E mais: até falarão de genética e estrutura neuronal, mas NÃO FALARÃO DE GATILHOS AMBIENTAIS IMPORTANTES QUE NÓS CONHECEMOS MUITO BEM!
Portanto, amigos de batalha, deixem a GLOBO, O DRÁUZIO E O SALOMÃO fazerem o trabalho deles do jeito que eles sabem e FAÇAMOS O NOSSO de formiguinha do jeito que AGENTE SABE QUE REALMENTE É EM SUA PLURALIDADE DE DEMANDAS E SOLUÇÕES!
Se o programa der uma sacudida na geral, está valendo, é o que temos por agora. Temos que analisar se é preferível um silêncio generalizado sobre o tema ou um barulho (novela, Fantástico, jornais) com uma mancada aqui e outra ali.
Afinal, o tema está em pauta! Alguém dirá que é epidêmico no mundo todo? Talvez não! Alguém dirá que A PLASTICIDADE EXISTE DO BERÇO AO TÚMULO E QUE HÁ POSSIBILIDADES INFINITAS ATÉ MESMO PARA O AUTISTA ADULTO? Talvez não! Alguém dirá que existem pessoas RECUPERADAS do lado obscuro da “síndrome” e que hoje são mentes necessárias ao mundo utilizando seus dons e percepções peculiares para o bem da humanidade? Talvez não! Restará, amigos, muito a ser dito.
Mas o que for dito é palavra lançada e não voltará vazia em nossa direção. Devolvamos à sociedade uma renovação da informação em tom amadurecido, individualizado e esperançoso. Nós somos especialistas nisso, esqueceram?
Evellyn Diniz.

universo particular

Anúncios

16 responses »

  1. Fabiana diz:

    Certinha Evelin, acredito nisso tbm!! Que o mais difícil está sendo feito que é a divulgação pela tv, estão “passando” a informação! Agooora o trabalho árduo vem agora, agora é hora de mostrar realmente o que sabemos, e se sabemos realmente alguma coisa ne? grande abraço!!!

  2. Cintiao diz:

    Vejo da mesma forma q vc, até as pequenas entrevistas são válidas, o q pra nós mães não acrescenta em nd, pra pessoas q não conhecem o autismo é um esclarecimento, com certeza depois de tanta informação, as pessoas olharão com mais compreensão para as diferenças dos nossos filhos

  3. Michelle diz:

    O programa, apesar de ter suas falhas, está chamando a tenção de muitas pessoas para o assunto. Quem realmente se deparar com essa realidade não irá se prender a um programa gente, e quem já vive isso, entende que nunca irá ver a “SEU” caso 100% representado. Acho bobagem ficar comparando, nenhum é igual ao outro. E desde de quando essa visão mais pessimista é novidade?

  4. Nadia diz:

    Parabens é isso que todos nós pais de crianças autistas deveriam fazer, PARAR como sempre de fazer comparações, etc, etc …. e sim ver que para tudo é necessario um começo … e é esse que tem pra hj!!!!

  5. Muito bom, Evelyn. Acho que você falou tudo mesmo. O que quer que se fale, nunca será definitivo, e nunca abrangerá todos os casos, pois, como você mesma acentuou, são AUTISMOS.

  6. Teresa Fernandes diz:

    Perfeito, penso como você, temos que acreditar na possibilidade de recuperação sempre, tudo dependerá do tipo de tratamento…E uma coisa que aprendi com a vida, se a minha filha não tiver saúde eu posso ter o tipo de terapia que for que não dará certo…. Saúde e terapias devem caminhar juntos…. Parabéns !!!!

  7. SALETE PINHEIRO MEDEIROS diz:

    Concordo em gênero, nº e grau. Tomei conhecimento do Autismo em 1967, com 22 anos de idade, qdo fiz por conta própria um Curso no IEE do RJ, para poder atender a uma Turma Especial. Recém formada, não aceitei sem conhecimento prévio, pegar esta turma e não poder ajudá-los como mereciam. Graças a isto consegui que alguns, superassem as suas dificuldades e seguissem em frente. Qdo meu neto nasceu, observei desde os 9 meses, que algo estava errado e graças ao Curso e os conhecimentos sobre o Autismo, pude identificar e logo iniciar aos 2 anos, Fono e Psicomotricidade. Mas o diagnóstico, foi aos 6 anos, através da Fono, fundadora da ONG Mão Amiga, Mônica Acyoli. E os que como a maioria, não conhecem o assunto, poderão através do Dr. Drauzio Varella e do Fantástico, serem ajudados a percorrer este caminho pedregoso e cruel … que é não ter um diagnóstico e a ajuda do que fazer com seus filhos. Muita água, ainda terá que rolar sobre esta ponte de dúvidas e incertezas, além dos diferentes níveis e comprometimentos. Podemos sim, exigir das autoridades de Saúde e Educação, que cumpram a Lei e a Constituição. Criação de Centros Multidisciplinares e uma Inclusão que funcione. Parabéns pelas suas palavras lúcidas, um aviso e um alerta para que não se exija além do que o Dr. Drauzio se propõe, as Autoridades Constituidas cabe este papel. Abraços!

  8. O importante como vc disse é que o assunto está em pauta e isto já é um bom começo. Dr. Drauzio é muito competente e com certeza, cada domingo teremos novas novidades e questionamentos pra balanças este povo. Parabéns Evelyn pelo seu comprometimento. Forte abraço, Angela

  9. Luciana nassif diz:

    Evellyn, b nao vão falar da pesquisa do Dr Alysson…nem da importância do Ministério da Saúde….vão continuar insistindo no mito do incurável….infelizmente o Dr Salomão, terá assim disseminado sua visão arcaica do autismo e os mitos que vem com ele…esta valendo apenas pela divulgação….bjs

  10. Concordo com vc! como diz meu marido (físico às vezes), não existe nada ABSOLUTO, nada 100%, a Globo está ótima falando de autismo; Dr Drauzio e Dr Salomão vão conduzir o próximo programa com a visão deles e pronto, fizeram sua parte de divulgação e conscientização. Agora nós com a visão de PAIS, cotinuaremos nossa batalha diária, sim de formiguinha para tentar chegar perto dos 100%.

    • maria socorro pereira batista diz:

      Concordo tb com vc Evellyn, mas muito tem a ser feito. Profissionais precisam ser capacitados, médicos e enfermeiros que trabalham em unidades básicas de saúde que constitue a porta de entrada, precisam urgentemente dessa capacitação, enfim toda uma equipe multiprofissional. Pois o que temos são fono, to e outros sem formação nenhuma, ou seja, somente o básico da faculdade, estou falando da realidade de onde moro: interior do Ceará. A lei precisa ser aplicada, está so no papel, e se não cuidarmos vai ficar, assim como ficou a inclusão escolar. Essa cartilha do ministério precisa ser repassada para os estados e municípios, para que possam os governantes começarem a aplicar, capacitando profissionais e construindo locais de vergonha para atendimento dos autistas e famílias. Falar de sinais e sintomas do autismo toda mãe de autista já sabe, quero ver dr Dráuzio, dr Salomão e sei lá mais quem , falar da obrigatoriedade do estado em cumprir com seu papel de diagnóstico precoce, tratamento, escola e tudo mais.

  11. Maria Inês de Bona diz:

    Sou mãe de uma menina PC e como todas as mães de crianças especias temos expectativas diante de reportagens e que sempre deixam grandes lacunas quando acabam, nossa luta só começa quando a sociedade toma conhecimento de fatos que não fazem parte do cotidiano da maioria, por isso parabenizo você Evellyn pelo comentário e que possamos lutar cada dia mais pelo respeito das autoridades com nossas crianças que sofrem por não terem um bom tratamento em todas as áreas que a Constituição dá a elas por direito: saúde, educação e lazer.

  12. Vânia Pôrto diz:

    Boa noite Evellyn, embora entenda o seu ponto de vista, tenho escrito para a Globo, desde o início dessa série, bem como para outros canais de comunicação repudiando grande parte do que venho assistindo. Gostaria de entrar em contato com você por e-mail, se possível.
    Aguardo, obrigada.
    Vânia Pôrto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s